Guia da boa vizinhança: regra de convívio com os pets

Para muitas pessoas, os animais de estimação são considerados grandes amigos e até
membros da família. Uma pesquisa comprovou que os brasileiros são bastante apegados aos
seus pets e investem em alimentação de qualidade e cuidados.

Ter um bichinho em casa torna tudo mais alegre, divertido e cheio de fofura. No entanto, para
quem mora em condomínio, é preciso tomar alguns cuidados para não prejudicar a
convivência com os vizinhos. Então separamos algumas regras de convivência com os pets.

Conheça as leis

De acordo com o artigo 1.335, inciso I, do Código Civil, o condomínio não pode proibir os
moradores de terem animais domésticos. Além dessa regra, o Supremo Tribunal de Justiça
(STJ), em maio de 2019, também proferiu esta decisão, ao julgar o recurso de uma moradora
que havia sido impedida de manter a sua gata no apartamento.

Caso isso esteja acontecendo onde você mora, procure os seus direitos legais. No entanto, o
condomínio pode estabelecer restrições quanto ao convívio, por isso é importante estar atento
às regras. Vale ressaltar também que é permitido ter animais, desde que não ponham em risco
o sossego ou segurança da vizinhança.

Fique atento às regras do condomínio

Por mais que não possam proibir os condôminos de terem pets, alguns condomínios possuem
regras quanto à circulação dos animais. Por exemplo, há casos em que o uso de coleiras é
obrigatório, a presença dos pets em determinadas áreas comuns é restrita, entre outros.
Portanto, conheça as regras sobre isso, de preferência converse com o síndico, para não ser pego de
surpresa e ter contratempos.

Não perturbe o sossego dos vizinhos

Os animais em condomínio são permitidos, mas a segurança e sossego da vizinhança precisa
ser garantida, principalmente durante a noite e madrugada. Se você tem um pet que vai muito
barulho, uma dica é procurar um profissional para investigar possíveis causas clínicas e
adestrá-lo. Quanto menor for o bichinho, mais fácil ele irá se adaptar.

Não deixe o seu pet circulando sozinho

É fundamental não deixar o seu animal circular sozinho pelo condomínio. Além de oferecer
riscos para ele, é possível criar situações comprometedoras com os outros condôminos.

Um pet sozinho, mesmo dentro do condomínio, pode entrar em áreas com circulação de
veículos e ser atropelado, se perder, se machucar de diversas formas ou até fugir pela
portaria. Outro problema que pode ocorrer é o bichinho assustado agredir alguma criança.

Cuidado com a saúde e higiene do animal

Mantenha o seu pet sempre limpo, para evitar deixar odores por onde passa, pulgas e outras
doenças. Quando for passear com ele, leve um saquinho para recolher as necessidades
fisiológicas, afinal, ninguém gosta de sentir cheiro ruim, não é mesmo?

Certifique-se de que as vacinas dele estão em dia e, em caso de doenças contagiosas, evite
contato com outros animais e moradores do condomínio. Tomar essas medidas é importante
para a boa convivência e qualidade de vida do bichinho.

É comum os moradores discutirem por causa de pets, mas, seguindo esses passos, é simples
manter seu melhor amigo em casa e ter boa relação com a vizinhança. Lembre-se: diálogo e
bom senso são primordiais e evitam muitas dores de cabeça.

Você já teve algum problema onde mora por causa do seu pet? Como resolveu? Conta pra
gente nos comentários e não deixe de acessar as nossas redes sociais.

Deixe um Comentário